temer

Quem acompanha a internet já deve ter lido várias matérias polêmicas envolvendo o atual presidente do Brasil, Michel Temer. Por exemplo, já disseram que o peemedebista iria acabar com o abono salarial PIS/Pasep. Também disseram que Temer quer acabar com carnaval no Brasil e recentemente publiquei um post falando da notícia falsa dando conta que Michel Temer aprovou a implantação de chip obrigatório nos brasileiros em 2017.

Agora vou falar de outro assunto polêmico atribuído ao presidente. Segundo informações, Temer vai proibir o uso da Bíblia Sagrada em 2017 no Brasil. “A Lei que vai proibir o uso da Bíblia Sagrada em 2017″ já foi aprovada, diz um trecho do texto-base, aprovado com 199 votos. Ainda segundo o texto compartilhado nas redes sociais e aplicativos de mensagens,”nenhum deputado da bancada evangélica estava presente no dia da votação que foi estratégica”.

Então! Será que está história é verdadeira? Temer quer proibir o uso da Bíblia Sagrada em 2017 no Brasil? A resposta é NÃO! Primeiro que não houve nenhuma votação sobre o tema no Congresso Nacional ainda mais que, segundo o texto, a votação aconteceu na madrugada de uma sexta-feira 13. Outro detalhe da farsa é que nenhum parlamentar da chamada bancada evangélica participou da votação.

O que já aconteceu foi o contrário, tinha um Projeto de Lei (PLC) 16/2009 que tratava da obrigatoriedade de manutenção de exemplares da Bíblia nos acervos das bibliotecas públicas de todo o país, mas esse projeto foi arquivado.

E a história de que Rachel Sheherazade, do SBT, fez um alerta sobre o caso. Na verdade, a jornalista falou sobre a lei nº 9.734, publicada no Diário Oficial de Florianópolis. Esta lei municipal obrigava escolas públicas e privadas a disponibilizar bíblias em suas bibliotecas. Como informou uma reportagem do jornal O Globo, o projeto chegou a ser vetado pelo prefeito, porém os vereadores derrubaram o impedimento.

Conclusão: Esta história de que Temer quer proibir o uso da Bíblia Sagrada em 2017 no Brasil é BOATO.

Vimos no Momento Verdadeiro.

Compartilhar

Comentários

comentários