apocalipse

Aarti Dubey, uma universitária indiana de 19 anos de idade, cortou a sua própria língua como um sacrifício em honra a uma deusa da #Religião hinduísta, por acreditar que ela lhe havia aparecido em seus sonhos, dizendo que iria realizar todos os seus desejos em troca de um órgão de seu corpo, segundo publicou a ‘Daily Mail’.

No início, seu irmão, Sachin, acreditava que a jovem estava apenas brincando. “Aarti me falou do sonho e me disse que iria oferecer a sua língua para a divindade, mas nunca me ocorreu que ela estava falando sério”, declara o irmão.

No entanto, era verdade, pois a jovem realizou a sua oferenda no dia seguinte de sua suposta visão divina, em um templo dedicado à deusa Kali, localizado na cidade de Reeva, em Madhya Pradesh, na Índia.

Após cortar a sua língua com uma faca e oferecê-la à deusa, Aarti Dubey caiu inconsciente. No entanto, em vez de chamar os serviços de emergência, o sacerdote que realizava o ritual e outros devotos que se encontravam no templo pagão cobriram o corpo da jovem com uma manta e começaram a realizar suas orações para que ela melhorasse.

Após cinco horas, a adolescente voltou a si e continuou com o ritual, enquanto os presentes afirmavam que sua recuperação foi devido a uma benção da divindade.

Na Índia, é comum ver pessoas oferecendo os seus órgãos aos deuses, com a expectativa de obter a realização de seus desejos por um ser supremo. No entanto, o fato desta jovem soou estranho entre a comunidade, pois a maioria das pessoas que tem essa crença e esse tipo de superstição, são pessoas iletradas, mas essa jovem é uma estudante universitária.

Afinal, quem é a deusa Kali?

A divindade Kali é uma das mais respeitadas do hinduísmo, sendo considerada por muitos como a Deusa da Morte do ego. Acreditam que ela é uma manifestação da deusa Parvati, que é esposa de Shiva. Nas ilustrações, ela é representada manchada com sangue, juntamente com cobras e colar de crânios.

Os devotos desta entidade, acreditam que serão recompensados por ela com poderes paranormais, além de uma morte sem sofrimento.

Vimos no BN

Compartilhar

Comentários

comentários