237426Thalles Roberto foi destaque na coluna “Gente” do portal IG. O espaço dedicado para celebridades fez uma pequena biografia da carreira do cantor gospel que em duas décadas já conquistou muitas vitórias, mas que viu sua carreira gospel dar uma caída após se meter em uma série de polêmicas.

Thalles começou como músico de apoio da banda Jota Quest e chegou a fazer uma parceria com o grupo Jamil e Uma Noites, lançou o primeiro álbum com a banda Éden, em 1996. Hoje, Thalles é reconhecido como um dos maiores fenômenos da música gospel nacional e seu nome está por trás de tantos sucessos quanto polêmicas.

Saca só algumas polêmicas que o astro gospel se meteu!

A canção herética

Em 2013, Thalles Roberto promovia o lançamento do single “Filho Meu”. O vídeo, que atingiu a marca de 500 mil visualizações em pouquíssimos dias, gerou polêmica ao mostrar o cantor falando na primeira pessoa, demonstrando uma tentativa de Deus de se relacionar com um suposto filho, porém ainda não convertido. A letra da canção foi criticada por teólogos, pastores e fãs do artista, que a classificaram como “herética”.

Polêmica com cachê

No mesmo ano da polêmica com o clipe de “Filho Meu”, o cantor virou notícia entre os famosos do mundo gospel ao cancelar um show de última hora na cidade de União dos Palmares, em Alagoas. O motivo? Thalles teria ficado insatisfeito com o valor do cachê acordado com o Pastor Abraão, organizador do evento. Fãs que prestigiaram o show ficaram indginados e gravaram um vídeo em repúdio ao gesto do artista, o acusando de ser mercenário.

Bíblia própria

Em 2015, Thalles provocou a ira da comunidade evangélica ao lançar uma nova versão da Bíblia Sagrada. Intitulada “ID3”, mesmo nome de um álbum lançado em 2014, o cantor produziu um livro em parceria com a Sociedade Bíblica do Brasil. A obra trazia sua história de vida como introdução, à frente do Gênesis. Mais polêmica do que o projeto, só mesmo o custo: R$ 110,00.

Thalles Roberto lança Bíblia própria e gera polêmica na comunidade evangélica

Menosprezo ao gospel

Durante uma apresentação na Comunidade das Nações, em julho de 2015, em Brasília, Thalles Roberto afirmou ter interesse em produzir um CD voltado ao público não-religioso. O cantor disse que recebeu chamado de Deus para deixar de se apresentar em igrejas e fazer eventos seculares. No entanto, a forma como ele descreveu o fato gerou muita revolta entre os evangélicos. “Você está acima da média porque você está no meio de gente fraca”, declarou. Thalles ainda disse que “cantar no meio gospel era como bater em bêbado” e que “música gospel é tudo igual”.

A declaração do cantor deu o que falar no meio gospel. Nomes como Leonardo e Marcos, Luiz Arcanjo, Marcus Salles, Amanda Ferrari, Vanilda Bordieri, Cassiane e Lydia Moisés repudiaram publicamente a atitude de Thalles.

Compartilhar

Comentários

comentários